Mais da metade da população brasileira não vai ao dentista regularmente, segundo pesquisa do IBGE

h_pediatric_dentist_brookline-470x256
Vida adulta afasta as pessoas dos consultórios

Como as crianças, a maioria de nós lembra os altos e baixos de nossas viagens duas vezes anuais ao dentista: os raios-x, o higienista amigável perguntando como muitas vezes nós comemos doces e se lembrou de usar fio dental todos os dias, brinquedos como uma recompensa por não ter cáries e, claro, escolhendo um sabor para o tratamento de fluoreto no final.

No entanto, para muitos adultos, a frequência dessas lembranças memoráveis ​​diminui com a idade. Trabalhos, família, amigos, e as preocupações diárias e tensões da vida têm preferência, e, muitas vezes, a saúde dental sofre. Na verdade, um número gritante de 55% da população brasileira não vai ao dentista anualmente.

cirurgiao-dentista
Brasil possui mais de 260 mil dentistas, segundo a PNS

O Brasil é o país que mais tem dentistas no mundo – são 260 mil -, mas, mesmo assim, mais de 110 milhões de pessoas deixam a saúde bucal em segundo plano. A recomendação dos dentistas é de que as consultas sejam semestrais.

No Norte e no Nordeste, os índices são ainda piores: 65,6% e 62,5% da população, respectivamente, não vão ao dentista todo ano. Já no Sul e no Sudeste, os porcentuais são de 48,1% e 51,7%, respectivamente. Os números foram levantados no último trimestre de 2013 e a pergunta se referiu aos 12 meses anteriores à entrevista.

Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, divulgada no último dia 2 de junho pelo IBGE.

Outro dado alarmante revelado pela PNS indica que, entre as pessoas com 18 anos ou mais, 11% perderam todos os dentes; entre os brasileiros que estão acima dos 60 anos, o índice é de 41,5%.

untitled
Pesquisa foi realizada pelo IBGE em 2013

Esse é o segundo volume da PNS 2013. Baseia-se em questionários aplicados em 6.069 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e em 49.130 domicílios de todas as unidades da federação. O primeiro volume, divulgado há sete meses, se ateve a questões como incidência de doenças crônicas e estilo de vida dos brasileiros. As informações servem para a formulação de políticas públicas de promoção, vigilância e atenção à saúde do Sistema Único de Saúde.

Anúncios

Clareamento dental com 10% de peróxido de hidrogênio: Uma observação clínica de seis meses

“Sundfeld RH, Neto DS, Machado LS, de Oliveira FG, de Alexandre RS, Palo RM, Sundefeld MM. Dental bleaching with a 10% hydrogen peroxide product: A six-month clinical observation. Indian J Dent Res 2014;25:4-8”

A possibilidade de o branqueamento de dentes vitais com produtos à base de peróxido revolucionou consideravelmente odontologia estética. Os relatórios clínicos [1], [2], [3] têm apresentado excelentes resultados quando técnicas de clareamento são utilizadas corretamente, particularmente sob supervisão profissional constante.
Os agentes clareadores usados ​​para branquear os dentes vitais contêm concentrações de peróxido de hidrogênio que variam de 6% a 10% [4], [5], [6], [7], [8] e são muitas vezes aplicados através de moldeiras ou impregnados em tiras adesivas. Isto permite a fácil aplicação e resultados satisfatórios obtidos em um curto período de tempo (o período mais curto de tempo se deve a uma maior concentração de peróxido de hidrogênio). [7], [8]
A sensibilidade dentária causada por clareamento dental pode ser associado principalmente com o tecido da dentina exposta dos dentes que são clareados. [9], [10] Isto tem sido relatado na literatura como o principal efeito adverso encontrado neste tipo de tratamento. [9] Preocupado com esse quadro clínico indesejável, Sundfeld et al. [11] propuseram o uso de um sistema adesivo em zonas de dentina expostos, principalmente nas regiões cervical e incisivas de dentes mandibulares e maxilares. Este adesivo é capaz de obliterar os túbulos dentinários, através da formação de uma camada híbrida e pontos resinosos, o que evitaria a transmissão de estímulos dolorosos.
Mesmo com a variedade de materiais e técnicas de clareamento disponíveis, ainda existe uma escassez de ensaios clínicos que forneçam suporte científico substancial para estes produtos de clareamento, especialmente no que diz respeito à aplicação de 10% de peróxido de hidrogénio já fornecida em moldeiras descartáveis ​​prontas para uso.
O objetivo deste estudo é avaliar a estabilidade da cor do dente e sensibilidade em pacientes submetidos a tratamento de clareamento dental com um sistema de peróxido de hidrogênio a 10%

Materiais e Métodos

Aspectos éticos, critérios de inclusão e exclusão

O projeto foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, UNESP, São Paulo, Brasil. Treze voluntários com idades entre 18 e 25 anos participaram do estudo. Para ser incluído no estudo, os participantes tinham que seguir os seguintes critérios: cor do dente deve ser A1 ou mais escuro de acordo com a escala de cor Vita (Wilcos do Brasil Indústria e Comércio Ltda Petrópolis RJ, Brasil.); deve praticar uma boa higiene oral; não deve ter lesões de cárie, recessão gengival, e restaurações em dentes anteriores superiores, ou restaurações posteriores; não deve estar grávida ou amamentando; não deve ter tido tratamentos de clareamento dental anteriores; deve estar em boa condição de saúde; deve ter tecidos moles bucais saudáveis; deve ser um não-fumante e um não-alcoólica; e não deve possuir histórico de reação adversa a peróxidos. Além disso, os participantes foram instruídos a evitar quaisquer alimentos ou bebidas com corantes durante o período da pesquisa. Eles receberam a informação sobre a técnica a ser utilizada e os possíveis riscos e benefícios obtidos. Cada participante assinou um termo de consentimento livre e esclarecido

Clareamento

Antes do clareamento dental, um exame clínico foi realizado para observar a presença de tecido dentinário exposto na superfície incisal do dente. Seis pacientes com dentina exposta incisal receberam a aplicação de um adesivo auto-condicionante (All Bond SE -.. Bisco Inc. 1100 W. Irving Park Rd Schaumburg, IL, EUA), de acordo com as instruções do fabricante [Figura 1]. A cor dos dentes incisivos e caninos maxilares foi avaliada por um examinador devidamente calibrado usando as escalas de cores Vita (Wilcos do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Petrópolis RJ, Brasil) na linha de base, imediatamente após o tratamento, e em seis meses após o tratamento.

Fig1_Sundfeld_TW
Figura 1: Sequência de procedimentos clínicos de clareamento dental com o produto Opalescence Trèswhite Supreme (a) Antes do clareamento dental (b) incisivos e caninos superiores antes do clareamento dental (c) incisivos inferiores e caninos com dentina exposta (d) Proteção da dentina incisal exposta com sistema adesivo auto-condicionante (All Bond SE – Bisco) (e) polimerização do sistema adesivo auto-condicionante (f) a aplicação de 10% de peróxido de hidrogênio (Opalescence Tréswhite – Ultradent Products, Inc., South Jordan, EUA) (g ) e (h) Após 8 aplicações do clareador dental

Após a profilaxia com pedra-pomes e água (se necessário), tecidos dentinários expostos foram protegidos com um sistema adesivo antes de aplicar Opalescence Trèswhite Supreme. A moldeira contendo o produto de clareamento foi aplicada à arcada dentária a ser clareada e adaptada para os dentes. O paciente foi então encarregado de aplicar movimentos de sucção para corrigir a posição da moldeira contra os dentes a serem clareados. A moldeira foi então removida, e a película de plástico restante contendo o agente de clareamento foi ajustada com uma leve pressão utilizando os dedos para ajustá-la melhor contra os dentes a serem clareados. Cada paciente utilizou o produto de clareamento durante um período de 60 minutos. Após este tempo, eles removeram a película de plástico que continha o produto de clareamento e lavaram a boca com água.

Enquanto os voluntários estavam em tratamento, eles foram instruídos a evitar doces e alimentos que contenham qualquer tipo de corante (café, cola, suco de uva, ou suco de groselha), bem como frutas ácidas (laranja, limão, etc.).

Um total de oito aplicações consecutivas foram realizadas em cada paciente durante um período de 8 dias (uma aplicação por dia) [Figura 1]. Todas as sessões de clareamento foram realizadas no consultório e sob a supervisão de um profissional da área odontológica. Depois disso, os pacientes foram tratados com sete aplicações tópicas de gel 2% de fluoreto de sódio neutro (Aphoticário, Araçatuba, SP, Brasil) para um período de quatro minutos cada.

Análise da alteração de cor e sensibilidade dentária.

Para determinar alteração de cor, foi utilizada a escala de cor Vita (Vita Classic, Vita Zahnfabrik, Bad Säckingen, Alemanha) com as cores organizadas a partir de B1 (cor mais clara) para C4 (cor mais escura) e numerados de 1 (B1) a 16 (C4 ) [Tabela 1]. [5] Os tons foram usados para determinar a cor do terço médio de cada dente a ser clareado. [5] A cor do dente foi determinada antes e após o tratamento de clareamento dental. A assistente clínica anotou as cores selecionadas e classificadas de acordo com os códigos adotados e expressas em formas padronizadas. Alteração de cor foi observada por dois operadores devidamente calibrados. [5] Quando surgiram divergências nas avaliações realizadas, os examinadores chegaram a um consenso. Os resultados foram analisados ​​por meio do teste Kappa para avaliar o grau de reprodutibilidade entre os dois examinadores.

Table1_Sundfeld
Tabela 1: Escala de cores Vita (Wilcos do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Petrópolis RJ, Brazil)

A sensibilidade dentária, avaliadas de acordo com a sua presença ou ausência, foi gravada durante os procedimentos de clareamento diários. Os resultados foram analisados utilizando-se o Teste de Friedman (medidas repetidas não paramétricos ANOVA) ao nível de 5% e Teste de Comparação múltipla de Dunn no nível de 5%.

Resultados

Verificou-se que os valores médios de cor originais observados no momento da análise da linha de base eram significativamente diferentes das observadas imediatamente após o clareamento, bem como daqueles observados na análise após seis meses (p = 0,001) [Tabela 2] e [Tabela 3]. Não houve diferença significativa entre os valores de cor médios observados no tempo imediato e na análise após seis meses (p = 0,474) [Figura 2] e [Gráfico 1] [arquivo adicional 1]. A sensibilidade dentária não foi observada em nenhum dos pacientes durante a aplicação do produto de clareamento dental.

Fig2_Sundfeld_TW
Figura 2: Caso clínico, apresentando as cores do dente antes (a), imediatamente depois (b) e 6 meses (c) após o clareamento dental com 10% de peróxido de hidrogênio (Opalescence Tréswhite – Ultradent Products, Inc.
Table2_Sundfeld
Tabela 2: O teste de Friedman e não medidas repetidas não paramétricas, ao nível de 5%, aplicado aos valores médios de tons entre os tempos de análise
Table3_Sundfeld
Tabela 3: O teste de comparação múltipla de Dunn ao nível de 5% aplicado aos valores médios de cor entre os tempos de análise

Discussão

Neste estudo clínico, 78 dentes anteriores (incisivos e caninos) foram avaliados quanto à alteração de cor como resultado da utilização de um sistema de clareamento à base de peróxido de hidrogénio a 10%, aplicada durante um período de 8 dias, durante 60 minutos, uma vez por dia. O clareamento satisfatório dos dentes foi observada em um curto período de tempo, em comparação com outros autores “[11], [12], [13], [14] no uso de produtos clareadores à base de peróxido de hidrogênio a uma concentração mais baixa.
No exame da linha de base, o valor de tonalidade média apresentada por todos os dentes a clarear foi observado para ser 6,05. A análise clínica realizada imediatamente após o tratamento mostrou um valor médio de tonalidade 1,62, enquanto a análise clínica realizada seis meses após o tratamento mostrou um valor médio de tonalidade estatisticamente semelhante a 2,37. Estes resultados demonstram a eficácia real do produto de clareamento usado. Além desta vantagem, o produto clareador é relativamente de baixo custo, e pode, assim, ser adotado por uma grande parte da comunidade odontológica. Além disso, como o sistema Trèswhite é um produto de clareamento que dispensa a necessidade de fabricar uma moldeira individualizada, ele pode ser utilizado em cidades e regiões onde os serviços protéticos talvez possam não estar disponíveis

Uma vez que o peróxido de hidrogénio a 10% utilizado no presente estudo foi impregnado numa película de plástico, pronto para uso, pode ser possível para o peróxido ser removido por movimentos dos lábios ou língua durante a sua aplicação, particularmente se o produto não for aplicado de forma adequada nos dentes a serem clareados. No entanto, acredita-se que esta possibilidade não interferiu com os resultados observados, uma vez que o produto não só apresenta uma viscosidade mais consistente do que o de géis clareadores convencionais, mas também foi sempre devidamente aplicado no consultório por um profissional da área odontológica, garantindo o gel fosse estabilizado com os dentes a serem tratados. Também é importante ressaltar que os pacientes, especialmente os adolescentes, têm uma forte tendência a utilizar os produtos de clareamento irracionalmente, [15], fto que até mesmo justifica mais ainda o clareamento sob supervisão profissional. [16]

Quando o clareamento é realizado sob a supervisão de profissionais, é mais fácil de controlar o risco de danos ao tecido gengival. [17] É enfatizado que, mesmo quando se utiliza o produto de clareamento durante um curto período de tempo, os autores devem evitar o seu uso em pessoas fumantes e que rotineiramente consomem álcool, uma vez que elevadas concentrações de peróxido de hidrogénio podem atuar como um promotor de lesões orais em conjunto com outros produtos (ou seja, de tabaco e álcool). [16]

O grande diferencial do método de clareamento usado é relacionado com o fato de que o produto vem impregnado em um filme de celulose, dispensando a utilização de uma moldeira individualizada. A elevada viscosidade do gel funciona como uma “cola” que mantém a película aderida tanto ao gel quanto aos dentes do paciente, diminuindo assim a possibilidade de que o material flua para os tecidos moles da gengiva. No entanto, a presença de um pequeno e passageiro desconforto gengival foi relatada durante a utilização deste produto de clareamento. Isto foi representado por opressividade discreta em algumas das papilas gengivais, que podem ter sido traumatizadas mecanicamente durante o ato de escovar os dentes antes da aplicação do produto de clareamento. Freqüentemente, esta irritação é devido à ação oxidante do peróxido, mas efeitos adversos no tecido mole não foram observados pelos examinadores nos períodos de análise.

A sensibilidade dentária observada durante ou no pós-operatório do clareamento dental [18], [19] [20], pode resultar da difusão de peróxido de hidrogênio através do esmalte e da dentina. Embora tenha sido relacionado que o clareamento com peróxido de hidrogênio mais concentrado provoca sensibilidade dentária mais pronunciada do que o clareamento com peróxido de carbamida, [20], [21] nenhum dos pacientes mostrou sensibilidade dentária, mesmo quando os dentes tinham tecido da dentina exposto na superfície incisal . Os autores acreditam que a aplicação de um sistema adesivo auto-condicionante nestas regiões contribuiu grandemente para este resultado observado, impedindo que o produto de clareamento entrasse em contato direto com a dentina exposta. [11] Pode-se considerar que a estabilidade química do peróxido contido no gel de 10% de peróxido de hidrogênio utilizado no presente estudo pode ter ajudado a controlar a sensibilidade dos dentes. Portanto, Chng et al. [22], em 2002, e Palo et al. [23], em 2010, verificaram a importância do pH no poder oxidativo de géis de clareamento, de modo que além da concentração de peróxido, o pH também pode regular este poder oxidativo do agente clareador. Deste modo, embora o agente de clareamento testado no presente estudo pareça ser um agente de clareamento muito forte para uso doméstico, a sua regulação química foi ajustada para uso doméstico, o qual permite que ele seja utilizado com uma baixa taxa de sensibilidade.

Conclusão

O desempenho do clareamento dental com 10% de gel de peróxido de hidrogênio com um filme plástico por oito dias mostrou eficácia clínica significativa após seis meses, quando aplicada por um clínico, dentro do consultório.

Confira a publicação original aqui

   Referências
1. Papathanasiou A, Bardwell D, Kugel G. A clinical study evaluating a new chairside and take-home whitening system. Compend Contin Educ Dent 2001;22:289-94.
2. Sundfeld RH, Rahal V, Croll TP, De Aalexandre RS, Briso AL. Enamel microabrasion followed by dental bleaching for patients after orthodontic treatment − case reports. J Esthet Restor Dent 2007;19:71-8.
3. Haywood VB. History, safety, and effectiveness of current bleaching techniques and applications of the night guard vital bleaching technique. Quintessence Int 1992;23:471-88.
4. Leonard RH Jr, Van Haywood B, Caplan DJ, Tart ND. Nightguard vital bleaching of tetracycline-stained teeth: 90 months post treatment. J Esthet Restor Dent 2003;15:142-53.
5. Meireles SS, Heckmann SS, Leida FL, dos Santos Ida S, Della Bona A, Demarco FF. Efficacy and safety of 10% and 16% carbamide peroxide tooth-whitening gels: A randomized clinical trial. Oper Dent 2008;33:606-12.
6. Gerlach RW, Gibb RD, Sagel PA. A randomized clinical trial comparing a novel 5.3% hydrogen peroxide bleaching strip to 10%, 15% and 20% carbamide peroxide tray-based bleaching systems. Compend Contin Educ Dent 2000;21:22-8.
7. Gerlach RW, Barker ML, Karpinia K, Magnusson I. Single site meta-analysis of 6% hydrogen peroxide whitening strip effectiveness and safety over 2 weeks. J Dent 2009;37:360-5.
8. Yudhira R, Peumans M, Barker ML, Gerlach RW. Clinical trial of tooth whitening with 6% hydrogen peroxide whitening strips and two whitening dentifrices. Am J Dent 2007;20:32A-6A.
9. Browning WD, Blalock JS, Frazier KB, Downey MC, Myers ML. Duration and timing of sensitivity related to bleaching. J Esthet Restor Dent 2007;19:256-64.
10. Marvin K. Bright, white, and sensitive: An overview of tooth whitening and dentin hypersensitivity. Dent Today 2008;27:80-1.
11. Sundfeld RH, Sundfeld Neto D, Machado LS, Oliveira FG, Guedes AP, Anchieta RB, et al. The efficiency of dental bleaching – case reports. Dent Brazil 2009;14:22-8.
12. Aushill TM, Helling E, Schmidale S, Sculean A, Arweiler NB. Efficacity, side effects and patients’ acceptance of different bleaching techniques (OTC, in-office, at-home). Oper Dent 2005;30:156-63.
13. Myers ML, Browning WD, Downey MC, Hackman ST. Clinical evaluation of a 3% hydrogen peroxide tooth-whitening gel. J Esthet Restor Dent 2003;15:50-6.
14. Shahidi H, Barker ML, Sagel PA, Gerlach RW. Randomized controlled trial of 10% hydrogen peroxide whitening strips. J Clin Dent 2005;16:91-5.
15. Gerlach RW, Barker ML. Professional vital bleaching using a thin and concentrated peroxide gel on whitening strips: An integrated clinical summary. J Contemp Dent Pract 2004;5:1-14.
16. Demarco FF, Meireles SS, Masotti AS. Over-the-counter whitening agents: A concise review. Braz Oral Res 2009;23:64-70.
17. Goldberg M, Grootveld M, Lunch E. Undesirable and adverse effects of tooth-whitening products: A review. Clin Oral Investig 2010;14:1-10.
18. Li Y, Lee SS, Cartwright SL, Wilson AC. Comparison of clinical efficacy and safety of three professional at-home tooth whitening systems. Compend Contin Educ Dent 2003;24:357-64.
19. Sundfeld RH, Croll TP, Briso AL, de Alexandre RS, Sundfeld Neto D. Considerations about enamel microabrasion after 18 years. Am J Dent 2007;20:67-72.
20. Leonard RH Jr, Smith LR, Garland GE, Tiwana KK, Zaidel LA, Pugh G Jr, et al. Evaluation of side effects and patients’ perceptions during tooth bleaching. J Esthet Restor Dent 2007;19:355-66.
21. Pugh G Jr, Zaidel L, Lin N, Stranick M, Bagley D. High levels of hydrogen peroxide in overnight tooth-whitening formulas: Effects on enamel and pulp. J Esthet Restor Dent 2005;17:40-7.
22. Chng HK, Palamara JE, Messer HH. Effect of hydrogen peroxide and sodium perborate on biomechanical properties of human dentin. J Endod 2002;28:62-7.
23.

Palo RM, Valera MC, Camargo SE, Camargo CH, Cardoso PE, Mancini MN, et al. Peroxide penetration from pulp chamber to the external root surface after internal bleaching. Am J Dent 2010;23:71-4.

Como o Peróxido de Hidrogênio age no clareamento?

174409995

O peróxido de hidrogênio é também conhecido como água oxigenada, e possui diversas aplicações no mundo em que vivemos. Ele é usado desde a descontaminação até a ação alvejante (branqueadora/descolorante). Na odontologia ele também se aplica nestas duas características, funcionando tanto como um agente antimicrobiano quanto um agente clareador.

A primeira comercialização de Peróxido de Hidrogênio (H202) data de 1800, e sua produção mundial aumenta a cada ano. Ele é um dos oxidantes mais versáteis que existem, e é um dos principais agentes utilizados nos produtos clareadores do mercado odontológico, ao lado do peróxido de carbamida. Mas você sabe como esse produto age para efetuar o clareamento dentário?

Os géis clareadores, independente de sua concentração, liberam radicais oxidativos. Estes radicais de oxigênio atravessam a malha orgânica entre os prismas do esmalte, chegando na dentina, onde, ao atravessar a malha orgânica deste tecido, alcançam os pigmentos cromatogênicos. Lá, os radicais oxidativos agem quebrando a estrutura molecular destes pigmentos, transformando-os em moléculas que permitem a passagem de luz. Dessa forma, o pigmento cromatogênico se torna mais claro através da facilitação da passagem da luz por sua estrutura.

Os géis clareadores de qualidade disponíveis no mercado possuem, na sua formulação, a combinação entre o peróxido de hidrogênio e o flúor.

Confira aqui (em inglês) como o peróxido age no clareamento dental.

  • ANTUNES, F.; CADENAS, E. Estimation of H2O2 gradients across biomembranes. FEBS Lett, v.475, n.2, p.121-6, June 2000.
  • BONFIM, M.D.C.; ANAUATE NETTO, C.; YOUSSEF, M.N. Efeitos deletérios dos agentes clareadores em dentes vitais e não-vitais. J Bras Odontol Clin, v.2, n.9, p. 25-32, maio/jun. 1998.
  • CHEN, J.H.; XU, J.W.; SHING, C.X. Decomposition rate of hydrogen peroxide bleaching agents under various chemical and physical conditions. J Prosthet Dent, 69, n.1, p.46-8, Jan. 1993.
  • http://saudeperfeitarfs.blogspot.com.br/2009/09/peroxido-de-hidrogenio-1.html
  • drjimchan.com/hydrogen_peroxide

Após o clareamento, os dentes podem voltar a escurecer?

sorriso-aberto“Uma vez que tenha clareado meus dentes, vou precisar refazer o tratamento?” Escutamos essa pergunta muitas vezes, e temos certeza de que você também. No caso de muitos pacientes, o manchamento dos dentes é cumulativo, e leva muitos anos para ocorrer, e uma vez clareados, provavelmente serão necessários muitos anos mais para que voltem a ficar manchados. Entretanto, essa é uma característica individual, e esse manchamento irá ocorrer de diferentes maneiras. Além disso, os hábitos de cada paciente também irão influenciar o ritmo do manchamento. Com tantas variáveis, existe um protocolo geral?

Pesquisas realizadas desde o ano 2000 demonstram justamente quanto tempo em média um clareamento pode durar. Em uma entrevista à  Dental Products Report, o Dr. Van Haywood compartilha a informação que ele divide com seus pacientes com relação à longevidade dos resultados clareadores. “Nós dizemos às pessoas que o tratamento dura no mínimo de 1 a 3 anos, e que os retoques duram aproximadamente 1 dia para cada semana de tratamento previamente realizado. Depois de um ano e meio, ao redor de  74% dos pacientes ainda apresentavam dentes com a mesma cor clareada. Após 3 anos, o porcentual era de 62%, e depois de 7 anos, era de  35%.” Ainda hoje, o Dr. Haywood relata casos de  10 a 15 anos pós clareamento que ainda não necessitam de qualquer tratamento adicional.

Caso seus pacientes estejam buscando um sorriso mais claro e natural, as recomendações do Dr. Haywood são perfeitas para o início. Caso seu paciente não seja fumante, ou um grande consumidor de café, o clareamento provavelmente irá durar por muitos anos. Caso você tenha pacientes buscando por um sorriso tipo Hollywood, realmente branco, provavelmente esses pacientes terão que realizar retoques mais frequentemente que o paciente médio. Estilos de vida e os resultados pretendidos – e não apenas genética e a estrutura dental – apresentam um papel decisivo no nível de clareamento que pode ser alcançado e também influenciam a frequência dos retoques de clareamento necessários para manutenção dos resultados.

É importante recordar que os resultados do clareamento, assim como a variação da velocidade de como o dente irá se re-pigmentar irão variar. Por  exemplo, pecientes cujos dentes são naturalmente mais translúcidos podem simplesmente não atingir um sorriso tipo  Hollywood, realmente branco, independente da frequência de seus clareamentos. Ao educar seus pacientes, você poderá ajudá-los a a ter expectativas realistas para os resultados de clareamento a curto e longo prazo.

Estudo mostra que Opalescence é o clareador mais estável

Comparativo mostra a estabilidade de produtos à base de peróxidos
Comparativo mostra a estabilidade de produtos à base de peróxidos

Os clareadores dentários são geralmente compostos por géis de peróxido de hidrogênio ou carbamida. Esses agentes são altamente reativos, o que é muito importante já que essa reatividade é a responsável pela ação clareadora esperada e desejada em um produto de clareamento dental. Entende-se atualmente que os mecanismos propostos para o clareamento dental envolvem a decomposição do ingrediente de peróxido, que é acelerada quando o produto é aplicado no ambiente bucal, que contém agentes catalisadores, como as enzimas. Esse processo resulta na formação de peróxidos reativos que reagem com as moléculas pigmentadas presentes no esmalte e dentina, transformando-as em moléculas menores e sem cor de aldeído e álcool. De acordo com cada fabricante, os géis contem diferentes componentes como umectantes, solventes, estabilizantes, espessantes, e podem também incluir adoçantes, flavorizantes e outros agentes que influenciam a forma de liberação dos íons oxidativos.

Assim, a presença destes componentes aceleram a reação oxidativa. O fator mais impactante no aumento da decomposição de peróxido de hidrogênio pode ser a alcalinidade, específicos espessantes e o incremento da temperatura etc. A taxa de decomposição aproximadamente dobra para cada 10 °C de incremento na temperatura. Isso explica o porque que o armazenamento de clareadores sob ambiente refrigerado mantém suas características por prazos mais longos.

Géis clareadores odontológicos, na sua grande maioria produzidos por empresas sérias possuem agentes reguladores que reduzem o poder oxidativo, criando uma liberação de radicais oxidativos mais lenta e gradual, diferenciando a força oxidativa e diminuindo o risco  de que o produto perca a potência durante sua vida útil.

A Ultradent é a líder do mercado de produtos de clareamento dental por mais de 20 anos, e sempre procurou fornecer o balanço ideal entre estabilidade de produto e a reatividade necessária para promover um clareamento de alto nível de efetividade clínica durante a vida útil do produto. Os géis Opalescence apresentam estabilidade balanceada de forma a manter sua qualidade e eficácia.

A norma internacional para produtos de clareamento (ISO 28399), recentemente introduzida, sugere que a concentração padrão aceitável do(s) ingrediente(s) ativo(s) em produtos à base de peróxidos não seja maior do que 10% nem menor do que 30% da concentração proclamada na embalagem do produto durante qualquer momento da vida útil do produto. Os géis clareadores da Ultradent foram desenvolvidos para atender à esse requerimento.

É importante salientar que a degradação do Opalescence em produtos de clareamento não representa nenhum risco com respeito à segurança do produto, independente da magnitude da degradação. Os produtos da sua decomposição são água e oxigênio, os quais são inofensivos ao usuário do produto.

Além dos estudos de estabilidade apresentados, para demonstração das condições do mundo real, os produtos Opalescence foram coletados simultaneamente a múltiplos outros produtos de clareamento concorrentes, de canais de distribuição típicos de distribuidores de produtos odontológicos dos Estados Unidos, Brasil, China e Arábia Saudita. Todos os produtos foram mantidos em temperatura ambiente até a expiração de suas datas de validade, quando foram analisados com relação a porcentagem de ingredientes ativos de peróxidos remanescentes. Os resultados desses testes mostram que os produtos Opalescence mantiveram a concentração de peróxidos tranquilamente dentro dos limites introduzidos pela norma ISO (Matis JI, Matis BA, Wang Y, Monteiro S, Al-Qunaian TA, Millard R; Labeled vs Actual Concentration of Bleaching Agents; Operative Dentistry, 2012, 38-3)

Quando o contato do gel com os dentes é realizado com a utilização em conjunto de um dispositivo tipo barreira, como uma moldeira, favorece a reação com as manchas localizadas sobre e no interior do dente, ao mesmo tempo em que protege o gel da influência e da diluição causada pela saliva. Os fabricantes de clareadores dentários e os dentistas em geral sabem que a eficácia do clareamento dental depende do tempo de contato com o dente e da concentração do ingrediente ativo no produto clareador dental. Assim, é importante que a concentração dos peróxidos contida nas embalagens reflita precisamente a concentração real do produto, em especial quando existem múltiplas opções de concentração. Essa é única forma de fornecer ao clínico e ao paciente expectativas e resultados consistentes.