Preserve suas restaurações com o uso de clorexidina

Utilizar uma pasta de clorexidina a 2% pode ajudar a preservar suas restaurações1

Um importantíssimo passo para o sucesso durante procedimentos adesivos está diretamente ligado ao uso de Consepsis, uma pasta antibacteriana de gluconato de clorexidina a 2% livre de emolientes. Consepsis limpa e desinfeta preparações, ajudando na prevenção de microrganismos para dentro dos túbulos dentinários e minimizando assim a chance de sensibilidade pós-operatória.

A aplicação de Consepsis também se mostra eficiente na ação antimicrobiana precedente ao capeamento pulpar, mesmo em estudos em que a contaminação bacteriana foi induzida antes da aplicação do produto2.

Além de proporcionar atividade antimicrobiana prolongada e eficaz, Consepsis reduz o potencial para sensibilidade pós-operatória e pode assegurar melhores forças de adesão a longo prazo através da inibição da ação das MMPs na camada híbrida. 3-5

consepsis_001

As forças de adesão permaneceram estáveis nas amostras tratadas com 2% de CHX, enquanto que as forças de adesão em dentes não tratados com CHX diminuiram significativamente.

INDICAÇÕES DE CONSEPSIS

Ação antimicrobiana para cavidade e preparações:

consepsis_002O uso de Consepsis ajuda a diminuir consideravelmente as chances de sensibilidade pós-operatória, através de limpezas meticulosas e limpezas antes de selar e restaurar. Utilize Consepsis antes de cimentação de coroas (provisórias e/ou definitivas) e restaurações diretas.

Consepsis solução – Enxague endodôntico previamente à obturação do canal:

consepsis_003Consepsis é recomendado para desinfecção durante procedimentos endodonticas, como lavagem final antes de selagens e obturações de canal. Consepsis deve ser utilizado após a remoção do smear layer para desinfectação do canal. Hipoclorito de sódio deve ser enxaguado e removido antes da aplicação de Consepsis.

IMPORTANTE: Não misturar Consepsis e hipoclorito de sódio no canal, pois estimula a formulação de um precipitado escuro.

1. Carrilho MR, Carvalho RM, Sousa EN, et al. Substantivity of Chlorhexidine to Human Dentin. Dent Mater. 2010;26(8):779-85.
2. Gultz J, et al. 
Antimicrobial activity of cavity disinfectants. Gen Dent. 1999 Mar-Apr;47(2):187-90.
3. Carrilho MR, et al. 
In vivo Preservation of the Hybrid Layer by Chlorhexidine. Journal of Dental Research 86(6):529-533, 2007.
4. Carrilho MRO, Carvalho RM, de Goes MF, et al.
Chlorhexidine preserves dentin bond in vitro. J Dent Res. 2007;86(1):90–94.
5. Brackett WW, Tay FR, Brackett MG, Dib A, Sword RJ, Pashley DH.
The effect of chlorhexidine on dentin hybrid layers in vivo. Oper Dent. 2007;32(2):107–111.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s